domingo, 8 de fevereiro de 2009

Não esperava

(Madrinha, relativamente ao ultimo post, as palavras não me saem facilmente, por isso é que ficou aquele titulo).

Não esperava aquele mensagem... Ainda tens a capacidade de me surpreender ao longo destes anos todos.
Senti rudeza (não gosto desta palavra), senti aspereza, desconforto, desencanto próprio de quem anda atormentado com a vida. De quem anda com um coração dilacerado nas mãos e não sabe o que lhe há-de fazer, com um coração remendado imensas vezes, agarrado a velhas soluções para velhos problemas...

Eu estava ali, só por acaso. Na boca não trazia uma prece, mas um consolo. Mas tu encaraste como mais um pedido de ajuda, um convite para trabalhar. Talvez de forma manifesta era um pedido de auxilio, mas na sua latência trazia uma enorme ajuda, uma nova oportunidade de te encontrares, de por ti proprio consertares esse coração.

Eu estava ali... no momento do coice!

Não queria pedir, queria ajudar.

Um comentário:

Clarinha* disse...

ocorre-me dizer: no melhor pano cai a nódoa!!
eu as x sinto que me fecham a porta, passo a explicar. às x um café social, significa preciso um pouco da tua atenção e sinto que às x me cortam as pernas.. n sei bem perceber a razão pla qual do outro lado n percebem q pode estar latente um pedido de ajuda.
não me posso queixar, mas deixo aqui a reflexão, para que possamos pensar a reciprocidade das relações e para que não fiquemos nesta apatia social...*