sábado, 24 de outubro de 2009

O gozo e a imensa lábia de viver e ser feliz

A história que Deus vai escrevendo na minha vida, ou melhor, a epopeia que vamos escrevendo a meias não pára de me surpreender,
Às vezes gostava de saber antecipadamente o caminho... mas sinto-me um verdadeiro agarrado... Sabem aquelas séries de televisão viciantes que acabámos de ver o ultimo episódio e já desejámos ter o episódio seguinte para ver qual é o seguimento da coisa? Ou então, aqueles livros deliciosos que têm sequelas e nós quase que esganamos o autor para colocar à venda o próximo livro?

Eu sinto-me assim com Deus!

Deus tem-me falado simultaneamente de uma forma tão concreta e tão humana que quase me choca! Sim é verdade. Há dois fins de semana consecutivos que o grupo de jovens me tem revelado, nada mais nada menos que... eu próprio! E concomitantemente a Busca!

Se no último fds, me tinha sido revelado que eu devia viver o tempo presente - renunciando aquilo que o tempo devorou e não ficar agarrado a ilusões, expectativas, quimeras - convidando-me a entrar no meu quarto. Hoje senti que ele me falava claramente ao viver dentro de mim - não viver alheio ao meu interior, ao que se passa cá dentro. Não viver a exterioridade de quem abdica da sua vida para viver mediana, a vida assim assim, a vida descomprometida com o interior e preenchida pelo exterior.

Hoje senti que é bem cá dentro, na interioridade que a Busca tem que ser feita, não que não o soubesse à partida, mas hoje descobri-o como uma etapa, um caminho e não como uma frase que se diz daquelas que Deus vive dentro de mim, mas que eu não vivo, vivo fora e por isso não o encontro. O mesmo se pode dizer em: a diferença entre o descer baixo e o descer ao profundo. Descer baixo, porque o faço a partir de fora, é ser ordinário, vulgar, comum. Descer ao profundo, porque o faço a partir de dentro, é encontrar Deus.

Aqui reside o gozo de viver e ser feliz. Quem vive sem Deus pode aspirar ao bem-estar, quem vive com Deus arrisca-se a conquistar a Felicidade.
É a esperança que mo revela.

(a musica do momento)

Um comentário:

Bruno disse...

2 coisas:

O Magnificat faz-nos crescer claramente, só quem não se entrega é que consegue ficar igual!

Esta musica acaba comigo por varias razões...

:)