segunda-feira, 19 de maio de 2008

"Obsessivamente felizes"

Este domingo foi atípico!
Não estive na minha paróquia.
Na paróquia onde fui o padre comenta um artigo do jornal Expresso que se intitulava: "Obsessivamente felizes".

Dizia o sr. padre que a sociedade de hoje nos tenta vender a ideia que temos que ser felizes a todo o custo!
Atenção eu quero ser feliz! Mas não quero a felicidade como a dá o mundo - uma felicidade de cheia de coisas e ao mesmo tempo vazia, porque esta socidade tem deixado Deus do lado de fora.

Nesta 'sociedade dos obsessivamente felizes' não se enquadra a tristeza, o sofrimento, a dor!(como se estes aspectos não fizessem parte da vida!) Por isso os amigos tem que te fazer feliz, têm que te dar muitos beijinhos e abracinhos, têm carregar contigo ao colo! (nada disso! A felicidade verdadeira não passa por isso - passa por levarmos e darmos chapadas dos nossos amigos, porque chapadas dos que não conhecemos esquecem-se e pouco contribuem para o nosso crescimento. Os amigos que nos ajudam a crescer com a porrada que nos dão, gostam igualmente de nós, tanto ou mais, como aqueles que só nos dão os beijinhos e os abracinhos).

Na nossa vida tem que haver espaço para nos entristecermos um pouco, para nos 'doermos' de vez em quando, para estarmos tristes embora sendo felizes!
Tem que haver um espaço para nos deprimirmos um pouco por vezes para calibrarmos a nossa balança!

Até Deus precisou desse sofrimento para nos salvar na cruz!

O padre disse duas coisas antes de terminar, das quais cito apenas uma:

- Não podemos prometer felicidade ao outro, apenas podemos comprometermo-nos a amar o outro!

Selecção Musical,

Um comentário:

ERute disse...

Joca obrigada por caminhares ao meu lado e por me ires ajudando a alcançar a Felicidade. Sem dúvida que tens sido amigo de abracinhos, E também de estalos. Mas assim tenho-me construído no que sou um pouco mais feliz que ontem, e cada dia mais feliz que no dia anterior.